Artigos

Artigos

<< Voltar
Ministério e seus Resultados

Ministério e seus Resultados

“Dizendo: Estes últimos trabalharam apenas uma hora; contudo, os igualaste a nós, que suportamos a fadiga e o calor do dia. Mas o proprietário, respondendo, disse a um deles: Amigo, não te faço injustiça; não combinaste comigo um denário? Toma o que é teu e vai-te; pois quero dar a este último tanto quanto a ti.” Mateus 20:12-14

O MINISTÉRIO E OS SEUS RESULTADOS

Nunca houve uma geração que se preocupasse tanto com o resultado quanto esta geração. E, por causa disso, muitos cristãos, muitos dos que estão em função de liderança no Reino de Deus acabam por desenvolverem esse tipo de comportamento. Pensando no resultado as pessoas têm agido assim: Faz faculdade somente para passar; Faz curso para ter diploma, casa para não ficar sozinho; Posta fotos e mensagens nas redes sociais atrás de “like”, de curtidas; Faz coisas para ser visto, para ser promovido; Batiza para não ir pro inferno; Canta para receber elogios; E a lista é imensa.

O que acontece quando só fazemos pelo resultado?

Geralmente Nós nos Sentimos Injustiçados; A parábola dos trabalhadores da última hora nos revela essa verdade (Mateus 20:1-16). Jesus nos conta que vários trabalhadores estavam em uma praça a procura de uma oportunidade e, cada tempo, o patrão chegava e contratava alguns. Ele sai de madrugada e contrata alguns combinando o pagamento com eles. As nove horas da manhã voltou novamente e contratou mais gente. Voltou ao meio dia e fez o mesmo. Por volta das três da tarde repetiu a ação. E, faltando poucos minutos para encerrar o expediente, para surpresa de todos, contratou outros.

Ao final do dia de trabalho, começou pagando aos últimos o valor de um dia de trabalho. Logo,alguns que começaram no trabalho desde cedo, pensaram: “Bem, se ele pagou um dia para quem trabalhou por alguns minutos, imagine quanto nós vamos receber.”

E, para surpresa deles, receberam o mesmo. Isso os fez ficar furiosos e irem cobrar uma satisfação ao dono da vinha.

O que acontece quando só fazemos pelo resultado?

Nós Usamos de Meios Errados para Alcançarmos o Resultado

Muitos ministérios têm se tornado expressivos empregando meios errados para este fim.

A ganância tem tomado o lugar do coração de servo. O desejo por mais dinheiro tem sabotado muitos ministérios. O desejo por status leva o ministro, o líder a apresentar uma falsa imagem. O pior é que, na busca pelo resultado, usando meios errados, os resultados acabam sendo outros.

Uma história na Bíblia, exemplifica bem esse tópico: Ananias e Safira. Não eram íntegros e queriam parecer íntegros como Barnabé. O resultado que Ananias e Safira buscavam era o status de bons crentes, de crentes fiéis (Atos 4:34-37/Atos 5).

“Conservando-o, porventura, não seria teu? E, vendido, não estaria em teu poder? Como, pois, assentaste no coração este desígnio? Não mentiste aos homens, mas a Deus.” Atos 5:4

Na frente da igreja, pareciam ser fiéis, nos bastidores eram infiéis e mentirosos.

Senhor quer que sejamos achados fiéis. Creio que isso vem a ser mais importante do que os resultados.

O que acontece quando só fazemos pelo resultado?

Nós Corremos o Risco de nos Frustrarmos; Imagine a frustração quando alguém estuda, estuda e estuda e fica reprovado? E observa outros que são descompromissados, vivem colando e eles, simplesmente passaram.Não é errado ter uma expectativa, errado é não querermos aceitar o fato de que uma expectativa pode não ser suprida.

Deus não prometeu suprir nossas expectativas. Ele fez promessas, e as promessas Dele são superiores a toda e qualquer expectativa que tenhamos.

“Mas, como está escrito: Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam.” I Coríntios 2:9 

Quem é fiel no ministério para o qual o Senhor o designou certamente não se frustrará, mas será surpreendido.O que é, NÃO fazer pelo resultado?

É quando eu faço porque simplesmente é o certo a se fazer não importando o resultado;

Eu ajudo alguém não porque esse alguém pode me ajudar ou me pagar por isso, mas porque é a coisa certa a ser feita;

Eu contribuo na casa de Deus, não porque penso no resultado, mas porque é a coisa certa a ser feita; 

Eu sou fiel a minha esposa, não por causa do resultado, mas porque é a coisa certa a ser feita; 

Eu perdoo os que me ofendem, não pensando no resultado, mas porque é a coisa certa a ser feita;

Quem está no ministério precisa saber disso. Não fazemos o que fazemos pelo resultado do que fazemos,mas fazemos porque é o certo, é o nosso chamado. Paulo, escrevendo aos crentes de Corinto disse: “Eu plantei, Apolo regou; mas o crescimento veio de Deus”. I Coríntios 3:6 

Não importa se o certo me cansará, tomará o meu tempo, tirará a minha comodidade. O que importa é que é o certo. Nossa motivação para liderar uma célula, discipular, cantar, tocar, servir em um mutirão ou exercer qualquer outra função no Reino de Deus não é pelo que vamos ganhar, mas sim pelo que já ganhamos. A nossa motivação deveria ser sempre a gratidão, nunca o resultado.

A ordem de Jesus foi de amarmos os nossos irmãos, foi de nos importarmos com os perdidos. A ordem de Jesus foi de fazermos discípulos, cuidarmos de pessoas. Quando o nosso Senhor Jesus perguntou a Pedro, se este o amava, deu-lhe uma ordem que soava como fruto do amor ao Senhor.

“Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Ele lhe disse: Apascenta os meus cordeiros.” João 21:15

Podemos concluir que: quem ama Jesus cuida das ovelhas de Jesus.

Gostaria de encerrar,com uma história: A história de um casal que dedicou a sua vida ao campo missionário nas regiões mais inóspitas e sujeitos a todo tipo de privações. Aqueles missionários foram submetidos aos sofrimentos mais terríveis. Depois de 50 anos eles foram jubilados e voltaram para o seu país de origem. E no navio que os trouxe de volta, eles vieram imaginando como seriam recebidos, e com que honras eles seriam homenageados, afinal eram 50 anos de uma vida inteira dedicada ao ministério. E aquele casal vinha no navio provavelmente pensando estas coisas: "Que honra nos espera, quando chegarmos em casa?” Quando o navio se aproximava do porto para atracar eles viram muitas bandeirolas, banda, fanfarra, uma festa preparada, e pensaram: "Eles estão prontos para nos receber de volta”. Mas quando desceram, depois de todos, pois estavam viajando de terceira classe, viram os papéis coloridos estavam espalhados pelo chão e já não havia mais a banda, a fanfarra deveria ter sido para algum passageiro ilustre. Alguém chegou à frente e a festa não era para o casal.Eles voltaram para casa, desgastados pelo tempo e,simplesmente, não havia ninguém para esperá-los, não havia festa, não havia boa recepção, não havia recompensa, e aquele homem revoltado saiu batendo a porta e disse a sua esposa: "Eu vou andar, pergunta aí para o seu Deus se é isso que Ele tem para nos dar quando nós voltamos para casa depois de 50 anos de ministério”. O homem andou... andou... andou... E ao voltar encontrou a esposa mexendo alguma coisa na pia da cozinha, entrou e perguntou a esposa em tom de deboche: "E então? Falou com o seu Deus se é isso que Ele tem para nos dar quando nós voltamos para casa depois de 50 anos de vida dedicada ao ministério?” 

E a mulher sem virar-se simplesmente disse:"Falei”. -"E o que foi que Ele disse?” retrucou o homem. Ela respondeu: "Ele disse que nós ainda não chegamos em casa”. 

Pagamento é algo que só acontece no final de uma jornada. Recompensa é algo que recebemos depois de termos cumprido nossas responsabilidades. Sendo assim, se você acha que Deus ainda não te recompensou é porque não chegou o final.Se não cuidarmos do nosso coração podemos acreditar que Deus é injusto por, aparentemente,recompensar mais a outros do que a nós mesmos que nos dedicamos tanto ao ministério.

Pr. Rodrigo Amaral



























































































































































































































































































































































































































































































































































































































Se não cuidarmos do





nosso coração podemos acreditar que Deus é injusto por, aparentemente,




recompensar mais a outros do que a nós mesmos que nos dedicamos tanto ao




ministério.

Compartilhe com os amigos
Facebook Twitter Google+