Artigos

Artigos

<< Voltar
O silêncio dos Pregadores

O silêncio dos Pregadores

O silêncio dos pregadores

Já observou que algumas bíblias antigas possuem quatro páginas em branco entre o Antigo e o Novo testamento? Estas páginas representam os 400 anos de história e silêncio de Deus, chamado período inter bíblico, onde Deus não se revelou por meio de nenhum profeta até a vinda de Jesus Cristo seu filho. Neste período, a história descreve a influência de ensinos de grandes filósofos, no período clássico da Grécia antiga, como Sócrates, Aristóteles, Platão entre outros, abordando sobre o significado da vida, propondo linhas de pensamentos  para as profundas indagações do ser humano. "Conheça-te a ti mesmo" (Sócrates)

Talvez você esteja atravessando um momento na sua história em que as atuais "páginas" da sua vida estão como folhas em branco, sem  respostas para os profundos questionamentos do coração. Em um mundo tão complexo, com mudanças tão rápidas desde os aspectos moral, cultural, até o tecnológico, as pessoas buscam intensamente por felicidade, sem saber muito bem como encontrar. Com o poder midiático nas mãos da população, percebe-se uma crescente busca pelo tema "felicidade" no Google, nos argumentos de vídeos, blogs, vlog onde cada um se apresenta como especialista de suas próprias convicções. É justamente neste cenário de acúmulo de informações, e relativização das coisas, que as pessoas estão confusas e com fome espiritual, buscando conceitos eternos em filosofias que não conseguem saciar o vazio da alma.

Nunca houve tantos livros de autoajuda e espiritualidade nas livrarias como nos dias de hoje; buscas incessantes na internet sobre a razão do existir. Os filósofos deste tempo têm ganhado os palcos e microfones para falar a milhares de pessoas sobre como obter a real felicidade. Enquanto isto alguns pregadores fazem silêncio quando trocam o sermão da Cruz de Cristo como verdade que liberta por "boas" e "novas" filosofias. O pregador faz silêncio, ou apenas barulho, quando a mensagem não é Cristocêntrica. Quando estes se calam, as pessoas tentarão buscar respostas em outros lugares, talvez na filosofia, talvez em si mesmas. O silêncio dos pregadores dará voz à ciência para tentar explicar Deus.  

No primeiro século depois de Cristo,  Paulo, ao ver uma forte idolatria que imperava em Atenas/Grécia, comoveu o seu espírito em si mesmo, ordenando a presença de Silas e Timóteo o mais depressa possível para ajudar a transmitir a mensagem que transforma. (Atos 17:15)  Neste tempo precisamos de Silas cujo nome significa "Arborização" e Timóteo: "aquele que honra a Deus".  O auxílio que precisamos é de pregadores arborizados, com raízes firmadas em Jesus e que honre a Deus com a mensagem genuína do evangelho. (Atos 17:18) Que o Espírito Santo possa nos comover a divulgar a mensagem que liberta em meio a uma sociedade que não conhece a Deus.

"E alguns dos filósofos epicureus e estoicos contendiam com ele; e uns diziam: Que quer dizer este paroleiro? E outros: Parece que é pregador de deuses estranhos; porque lhes anunciava a Jesus e a ressurreição." (Atos 17:1) O texto menciona grupos de escolas filosóficas como Epicureus que defendiam sobre a busca pelo prazer da vida, e os Estoicos que ensinavam  filosofia não só como expressão de palavras, mas como comportamento para superar os problemas da vida. Estes contendiam com Paulo, incomodados pela mensagem Cristocêntrica. Paulo expôs Cristo; não ignorando os pensamentos filosóficos; ao contrário ele até cita os seus pensadores, e que possuíam até lapsos da verdade: "Porque nele vivemos, e nos movemos, e existimos; como também alguns dos vossos poetas disseram: Pois somos também sua geração." (Atos 17:28). A filosofia como ciência humana tem o seu lugar e importância para o homem natural. Paulo reconhecia a relevância dos pensamentos para o homem comum, mas reconhecia a limitação para explicar o tema  "Ao Deus desconhecido". (Atos 17:23). 

A vida é Jesus, a verdade é Jesus, o caminho é Jesus (João 14:6), a luz é Jesus (João 1:4), a água e o pão da vida é Jesus (João 6:48; Apocalipse 22:17) , o descanso pra alma está em Jesus (Mateus11:29); a vida eterna está em Jesus (João 11:25), logo,  Jesus é a única resposta que explica e mostra Deus calando as mais profundas indagações do ser humano. "Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho," (Hebreus 1:1)  

"E eu, irmãos, quando fui ter convosco, anunciando-vos o testemunho de Deus, não fui com sublimidade de palavras ou de sabedoria. Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado." (1 Coríntios 2:1,2)

O silêncio de Deus precedeu o nascimento de Jesus, porém a volta de Jesus não será precedida pelo silêncio dos pregadores, mas pela exposição da verdade que liberta e na observância de ensinar todas as coisas que Ele nos tem ordenado.

Pr. Manoel Lincoln de Jesus Menezes

Esposo de Gizele e pai de Ângela e Rafael.

Especialista em Gestão Ministerial - Gestão Empresarial com ênfase em pessoas

Professor do Seminário Teológico Batista – FABERJ.

Compartilhe com os amigos
Facebook Twitter Google+